sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Quem Forma o Leitor Adulto?


(Ovelhas Desgarradas - 28)

Os escritores pernambucanos André Neves e Lenice Gomes abriram o recital Manuel Bandeira - Eternamente Estrela, realizado na Tenda de Pasárgada, na quarta, 5 de novembro, com o poema "Trem de Ferro". Justificaram depois que a escolha se deveu ao refrão "pouca gente pouca gente pouca gente" - e, realmente, o público que prestigiava o recital não era muito numeroso. Isto, aliás, tem acontecido com boa parte dos eventos da parte adulta da Feira, salvo quando o autor ou o tema abordado são muito célebres.

Não é de espantar que isso tenha causado estranheza a autores que geralmente trabalham com o público infantil: devido ao trabalho de formação de leitores infantis, realizado continuadamente em escolas, os eventos da área infantil da Feira sempre têm grande público, informado e interessado. O mesmo não ocorre em relação ao público adulto.

Vamos pegar o caso específico de Pernambuco, estado convidado da 54ª Feira do Livro de Porto Alegre. Embora há praticamente um ano a Câmara Riograndense do Livro, organizadora da Feira, tivesse proposto a homenagem, logo aceita pelo governo pernambucano, nada se fez ao longo deste período no sentido de promover e divulgar a literatura daquele estado junto ao público gaúcho. Assim, as pessoas que têm comparecido aos recitais e debates com autores como Homero Fonseca, Ronaldo Correia de Brito, Fernando Monteiro, Paulo Santos  e outros são os que já conheciam, por conta própria, suas obras, ou mesmo os que tiveram seu interesse despertado a partir da homenagem na Feira. Até aí, tudo bem, se fazem presentes os leitores interessados, mas, efetivamente, sem um trabalho prévio de divulgação não há como esse número ser muito expressivo.



  • Um dos poucos que manteve o mesmo título que coloquei, recebendo como de costume uma breve introdução da redação do site: Do nosso correspondente na Feira do Livro de Porto Alegre, Fabio Gomes, uma interessante análise sobre o evento e o problema de platéias. 
  • Este foi um "extra" que mandei pro site, não estava previsto no lote inicial solicitado, mas me pareceu relevante abordar a questão, então escrevi e mandei, colocando no título do e-mail a informação de que se tratava de um texto de opinião. 
  • A questão abordada me fez escrever para a Cia. de Eventos, responsável (ao menos na época) pela Bienal do Livro de Pernambuco, oferecendo meus serviços no sentido de divulgar escritores gaúchos no estado nordestino, tendo em vista a homenagem prevista para o Rio Grande do Sul na 7ª Bienal Internacional do Livro de Pernambuco, em outubro de 2009. Chegamos a trocar alguns e-mails, mas acabei não sendo contratado. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário